terça-feira, 16 de março de 2010

ENGENHARIA,ESPIRITISMO,LEI DE RETORNO E VONTADE DIVINA






Como Eng Civil e de Segurança e espírita fico emocionado com um texto fantastico como esse.Que beleza de abordagem!
 
É por isso que amo o que faço nessa completude e acima de tudo,a DEUS.

Abraços,

Trajano
 

KARDEC: ENTRE O CHILE E O HAITI

Foto 1: Construções no Chile após o terremoto - não se tornaram túmulos. Fonte: Time.

Os Flagelos em O Livro dos Espíritos

Kardec escreveu sobre flagelos que acontecem na humanidade, especialmente em sua Lei de Destruição, na parte terceira de "O Livro dos Espíritos". A teologia de sua época depositava na vontade de Deus estas ocorrências, mas o mestre francês interroga aos espíritos quais seriam as intenções da divindade ao permitir este tipo de evento no mundo.

Os espíritos dão duas respostas muito originais ao problema. A primeira é uma mudança de perspectiva ante a morte: "Se considerásseis a vida qual ela é, e como é insignificante em relação ao infinito, não lhe daríeis tanta importância. Em outra existência, essas vítimas encontrarão larga compensação aos seus sofrimentos, se souberem suportá-lo sem murmurar" (questão 738b)

Os materialistas de plantão certamente criticariam o Espiritismo, classificando-o como uma "ideologia da acomodação", se houvessem lido apenas esta passagem. Não foi esta, contudo a intenção do codificador.

O que cabe então ao homem fazer: apenar resignar-se, como o diriam alguns religiosos medievais? Não, e esta é uma das diferenças do pensamento espírita.

As mentes por detrás de "O Livro dos Espíritos" destacam o papel do homem no mundo, transformando-o para enfrentar melhor os problemas a que está submetido. "...Muitos flagelos resultam da imprevidência do homem. À medida que adquire conhecimentos e experiência, ele os pode afastar, isto é, preveni-los, se souber pesquisar suas causas" (questão 741)

Os Terremotos do Chile e do Haiti

Um exemplo ilustrador da sabedoria dos espíritos foram os dois terremotos que abalaram o Haiti e o Chile. Segundo a revista Time, o terremoto no Chile foi 500 vezes mais violento que o do Haiti, apesar da distância de seu epicentro e da menor profunidade do tremor de terras caribenho. Contudo, no Haiti houve 220 mil mortes, enquanto no Chile houve 770 mortes.

A diferença principal foi a rigorosa lei de construção civil aprovada e defendida pelas autoridades chilenas, fruto de dois terremotos acontecidos nas décadas de 60 e 80, que minimizou os danos. No Haiti apenas dois prédios foram construídos com esta finalidade, e eles não caíram.

Outra questão levantada pela Time aponta para a diferença de corrupção entre governo Chileno e Haitiano, usando os números da "Transparência Internacional". O Haiti tem números muito piores.

A melhor discussão do jornalista é sobre o papel da pobreza como explicação para estas diferenças. Todos nós nos sentimos tentados a dizer que a pobreza do Haiti o levou à corrupção e à fragilidade de suas instituições. Ele afirma o contrário: "o Chile é mais desenvolvido porque está fazendo as coisas certo. O mesmo vale para o Brasil, o Uruguai, a Costa Rica e um punhado de outras nações latino americanas e caribenhas que decidiram no século 21 parar de conduzir suas sociedades como se fossem domínios feudais".

Exageros à parte, ele tem muita razão. E os espíritos também, duzentos anos antes.

Outros Comentários sobre os Flagelos na América Latina

A organização Architecture for Humanity estimou que os efeitos do terremoto no Chile "foram muito menores que no Haiti (...) sem dúvida devido ao estado de preparação do país, incluindo as normas de construção...". "Se um prédio cai durante um terremoto é porque foi fortemente sacudido ou porque foi mal construído", resumiu o professor Roger Bilham. "No Haiti, os prédios eram muito frágeis. Quem os construiu, há 20 ou 30 anos, fez túmulos para seus ocupantes". (Fonte: Correio Brasiliense)

"The Chilean example will encourage donors to make the case that this is an opportunity to do things differently in Haiti — and do them right for a change," says Michael Shifter, vice president at the Inter-American Dialogue in Washington, D.C.

Tradução: O exemplo chileno encorajará os doadores a exigir que seja uma oportunidade de fazer as coisas de forma diferente no Haiti - e de fazê-las corretamente para se conseguir uma mudança, diz Michael Shifter, vice-presidente do Diálogo Inter-Americano, em Washington, capital. (Fonte: Time)

 

Nenhum comentário:

PARA PARTICIPAR DO GRUPO NO YAHOO GRUPOS:
Assinar irmaosdeluz

Desenvolvido por br.groups.yahoo.com