terça-feira, 28 de setembro de 2010

APRENDENDO COM O CASO NEYMAR

Por Manoel Trajano
Sei que algumas pessoas, ao começar a ler, pensará "eu detesto futebol" e lá vem ele com esse papo. Mas há sempre lições a tirar de cada fato que acontece e tem destaque na mídia, seja ela esportiva, artística, profissional, cultural, social, sexual, enfim o Brasil é um celeiro de escândalos, polêmicas, embates em que viramos mais uma vezes juris ou juízes que atuam num Fórum Público em que atiramos todos os tipos de pedras, de acordo com o que a imprensa manipuladora de notícias traz até nossos ouvidos despreparados, vulneráveis e muitas vez influenciáveis.

Para quem não acompanha futebol, vou refrescar a memória e resumir a história: Neymar é uma jovem revelação do futebol brasileiro, de 18 anos de idade, meninão mesmo no jeito de falar, craque de bola, talento nato e que até então tem sido um dos personagens principais nas goleadas do Santos Futebol Clube contra muitos adversários fracos do campeonato paulista e da Copa do Brasil. Ganhou mais apertado de times mais difíceis e foi campeão nas duas competições em 2010 de forma inquestionável junto com outros craques chamados com ele carinhosamente pela imprensa de "Meninos da Vila(Belmiro)" - Estádio do Santos onde manda seus jogos, nomes como Paulo Henrique Ganso,André, Robinho (um pouco mais velho,26 anos,os os demais 20,21,22...), Madson, Felipe, etc. O problema começa com o crescimento da fama, estrelismo diante da mídia, sedução de milhões de dólares dos clubes do exterior, convocação para seleção brasileira do Técnico Mano Menezes da nova geração pos-Copa do Mundo(depois de Dunga não ter chamado e eu apoiei pois era prematuro mesmo) e que diante das primeiras dificuldades do Santos no novo e mais difícil campeonato,o Brasileirão da Série A, Neymar começou a se mostrar mais nervoso, mais dissimulador(fingidor) de faltas que nao existiam em seu corpo já franzino e a conquista da diretoria de conseguir manter ele no elenco e no Brasil. Seu salário que ja era um absurdo de alto(com 18 anos já ganhava R$ 70.000,00), passou a ganhar milhões na nova era pós recusa de ir para o exterior para ficar no Santos(nos tempos atuais geralmente quem paga as estrelas são os patrocinadores e não mais clubes). Só que Neymar começou a se achar o dono do pedaço, o dono do clube no campo e chegou ao ponto de ofender o técnico do clube,o respeitado Dorival Jr., líder maior do time,conhecedor de futebol,por contrariar suas orientações,inclusive de não deixá-lo bater um penalty num jogo que o Santos ja ganhava por 3x2 em casa contra o Atlético de Goiás. O colega de time fez o quarto gol e o estádio todo viu a estrela do time xingar o técnico e o capitão do time em ato de completa rebeldia e indisciplina.

Uns falam da juventude, outros dos hormônios, outros da infância pobre, outros da mudança de fase juvenil para adulta precoce, outros falam, falam ,falam mas nada justifica falta de educação e respeito, principalmente aos colegas de trabalho e liderança. Ah sim, mas todos podem errar. Claro que sim, só o exemplo de Neymar que fatura milhões que na época de Pelé em 1958, que com 17 anos ganhou uma Copa do Mundo, ganhou uma bicicleta de prêmio. Mudança dos tempos sim, mas para pior. E o pior veio depois: após reunião com diretoria, jogador, tecnico, empresário e pai do atleta, ficou definido e assim foi feito que o jogador pediria desculpas públicas e seria multado no salário. Demonstrou arrependimento e pediu perdão ao capitão,ao tecnico e aos colegas. O técnico, achando ainda pouco, suspendeu ele um jogo e já partindo para suspender no segundo jogo(contra o Corinthians até então líder) a diretoria alegando "consenso entre as partes" informa a saída do treinador. Foi demitido ou pediu demissão Dorival Jr? Ninguem sabe. Foi abafado.

Neymar é um jogador que sai do talento, do toque refinado, da criatividade e extrapola no molequeira, provoca o adversário para conseguir uma expulsão,até aí malandragem do futebol,mas a partir do momento que se dissimula, xinga, ofende e se faz de vítima a coisa muda de figura. Ele é o reflexo de muitos jovens de hoje que não sabem limites e querem sempre extrapolar para ver no que dá. Mesmo num ambiente sério e profissionalizado como o futebol, a despeito do abismo social em que pouco mais de 3% ganham salários astronômicos como ele(incluindo aí tecnicos de futebol). Ou seja,muita gente joga para sustentar a família e pagar suas dívidas e apertos. Tem-se que separar o que é show do que é humilhação e falta de respeito.

Quando Renè Simões, técnico do adversário que perdeu de 4x2 em tom de desabafo disse "estão criando um monstro"na sua experiência de divisões de base em que se analisa perfil psicológico, fisiologia, talento e força muscular, falou com a autoridade de alguém que vê num talento nato caminhar para outros exemplos do futebol que ficaram na promessa porque se perderam nas atitutes levianas,infantis,no alcoolismo, nas drogas, na fama de ruim e problemático, nas baladas irresponsáveis que culminaram com atropelamentos fatais e causas na justiça,produtos criados e derrubados pela imprensa que precisa de modelos para vender e lucrar, incusive com bonecos,marcas e nomes em estampas. Que o diga Bruno que da cadeia viu seu nome ser removido das camisas do patrocinador serem removidas com liquido borrifante para não associar a imagem que denegriu no caso Elisa a marca milionária.

Longe de nós querer julgar e atirar pedras no menino,claro que não. Mas temos que trazer aqui uma reflexão do mundo de hoje que derruba um chefe,um tecnico, um lider, um exemplo em detrimento do dinheiro que corrompe,que compra, que assola este mundo insensível em que valores como a ética, o respeito, a humildade se perdem para arrogância, do "eu posso porque tenho", do "você sabe quem eu sou" e por aí vai. Como será que o novo técnico vai se submeter a isso. Será que vai ouvir "veja como o Neymar quer"ou vai ouvir "consulte o Neymar",porque por trás ele há milhões de dólares,uma mina de ouro.

Recentemente estava na porta de um restaurante quando ouvi um vigilante dizer a outro"aquele menino que tá chegando ali ganhou aquela Ferrari porque passou no Vestibular". Hoje obrigação virou moeda de troca. O pai compra o sucesso do filho. Que valores estamos vendo em nossa sociedade? De longe usar Neymar como referência,ele apenas veio a tona de muitos que estão por aí escondido e nada contra ele.

Torço por ele para que amadureça, cresça, vire gente porque a imagem que chega até a mim pela lente míope da imprensa é péssima e como amante do futebol arte me dá tristeza ver exemplo de falta de educação e desrespeito. As crianças e jovens que assistem vão replicar em casa o que vêem(ou não). "Para que vou estudar,pai,vou ser jogador de futebol que dá mais dinheiro e manda no técnico" pensarão elas. Torço para que ele mude rápido, mas é difícil, só com psicólogo e olhe lá. Torço para que a imprensa mude de atitude e valorize mais a moral do que os modelos que buscam como ideais e pioram. Torço para que haja mais respeito no trânsito, em casa, no trabalho, no esporte. Torço para que exemplos como esse diminuam e se anulem porque precisamos dizer a nossos jovens "peça desculpa,não faça isso, não faça aquilo. Derrubou, ajude a levantar. Respeite o professor e não levante a voz". Torço para que tenhamos bons modos. Torço para que este mundo valorize mais o ser do que o ter. E viva a humildade!

2 comentários:

Glória disse...

Adorei o texto. Tanto no conteúdo, quanto na maneira de abordar esse tema.

bjss,

Glória Mariani

Manoel Trajano - www.twitter.com/manoeltrajano disse...

Obrigado Glorinha.
Bjs

PARA PARTICIPAR DO GRUPO NO YAHOO GRUPOS:
Assinar irmaosdeluz

Desenvolvido por br.groups.yahoo.com