quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Entre a moralidade e a palhaçada(na íntegra)


 


De: Alamar Régis Carvalho [mailto:alamar@redevisao.net]
Enviada em: terça-feira, 7 de setembro de 2010 21:15
Para: masan30@uol.com.br
Assunto: Entre a moralidade e a palhaçada

 

De: Alamar Régis Carvalho

Para: Francisco Masan

Assunto: Entre a moralidade e a palhaçada

Francisco: É uma longa dissertação, mas, creio, de grande importância para a reflexão do movimento espírita, pela gravidade do que isto representa na relação entre os próprios espíritas.

Simples Expressão

É o novo programa de TV do Alamar

 

Ao VIVO, via satélite, diretamente de São Paulo, todas as quintas-feiras, das 15:30 às 17:30 horas.

 

Como você pode Assistir

TV Mundi - Intelsat 9, banda KU

TV CEI - Sat. Estrela do Sul, KU

Internet - www.tvmundi.com.br

Internet - www.tvcei.com

Internet - www.redevisao.net

 

Você pode participar com as suas perguntas

 

Telefone - (11) 2876-1085

Emails: alamar@tvmundi.com.br com cópia para alamar@redevisao.net

 

Reprises em vários horários, inclusive a noite, pela TV Mundi, pela TV CEI e pela Rede Visão, no site.

 

OBSERVAÇÃO - Colocamos programas anteriores no site www.redevisao.net para que as pessoas assistam, a qualquer hora.
 

Assista NOSSO LAR

Nos principais cinemas do Brasil

 

Já está sendo exibido, não deixe para depois.

Precisamos divulgar isto, para que todos tomem conhecimento. Convide, inclusive, amigos idosos, porque vale a pena demais.

 

VAMOS LOTAR OS CINEMAS, LOGO NESTA PRIMEIRA SEMANA. É DEVER DO ESPÍRITA.

Próximas palestras do Alamar

Para informar aos amigos das cidades próximas

 

Poços de Caldas, MG - Dias 24, 25 e 26 de setembro, estarei proferindo umas palestrinhas na SEAK, Sociedade Espírita Allan Kardec. Telefones (35) 3722-3545 CEAK ou com a Sonia, no 2101-2100. E-mail shambala@matrix.com.br

***********************

 Em Colatina, Vitória e Vila Velha, ES - Dia 8, 9 e 10 de outubro. A programação está sendo feita pelo Dr. Virgílio Knupp, sceevirgilio@gmail.com e sua equipe da Sociedade Colatinense de Estudos Espíritas e será divulgada com antecedência.

***********************

Salvador, BA - Dia 15 de novembro, aniversário do Grupo Espírita da Prece. E-mail zuilaalmeida@oi.com.bredvaldoveloso@oi.com.br. Telefones: Zuíla (71) 3240-3960 e 9933-3896 e Veloso 3356-6574 e 3240-0846.

***********************

 Novamente Poços de Caldas, MG - Dias 18, 19 e 20 de novembro, no maravilhoso Encontro de Estudos Espíritas do SEAK, um dos maiores eventos espíritas do Brasil. Telefones (35) 3722-3545 CEAK ou com a Sonia, no 2101-2100. E-mail shambala@matrix.com.br

***********************

Sorocaba, SP - Novamente em novembro (estive lá semana passada), dia 28 de novembro. Contatos com André Ariovaldo, e Marcos, nos telefones (15) 3227-7382, 3227-4631, 9613-4782 e 8818-9701.

***********************

São Paulo e Grande São Paulo - A divulgação vai apenas para os meus amigos leitores da Grande São Paulo

 

***********************

De 18 de dezembro a 18 de janeiro estarei em Belém do Pará, não como palestrante, e sim visitando velhos e queridos amigos.

Meu abraço, meu carinho e meus parabéns ao querido amigo RENATO PRIETO. a nova cara do André Luiz, para o Brasil e o Mundo. Eu sei o que ele passou e a luta que enfrentou para chegar ao sucesso atual.


ATENÇÃO: Aos amigos que costumeiramente retransmitem os meus artigos para as suas listas, peço especial atenção a este aqui: Por ser um assunto dirigido ao movimento espírita, peço que, se tiverem que retransmitir, o façam apenas para espíritas, trabalhadores dos centros e não para todas as pessoas, mesmo espíritas, principalmente aquelas que chegaram agora ao Espiritismo. Há determinados assuntos que não devemos expor muito, ao grande público.
 

 

Entre a moralidade e a palhaçada

 

Não veja este meu escrito como um artigo, senão você vai achar grande demais, como sendo artigo. Veja-o como um livreto, de poucas páginas. Do jeito como coloquei, teria que ter os detalhes que têm, abordagem do jeito como está e não poderia ser menor.

 

Assustado que fiquei, com as inúmeras mensagens que recebi, acerca daquele meu escrito colocado nos meus recentes e-mails, acerca do problema de espíritas serem altamente eficientes, nas mediúnicas, para doutrinar espíritos perversos, mas incompetentes para dialogar com os próprios confrades, que pensam um pouco diferente, resolvi escrever isto aqui, já. Impressionante, mas pensei que esse tipo de coisa já tivesse, pelo menos, diminuído em nosso movimento. A crueldade continua grande demais.

Já que gosto sempre de procurar colocar RACIONALIDADE em meus artigos, quero começar este aqui ilustrando com as colocações do grande Jayme Andrade:

 

"O azul é uma cor" – Isto é uma VERDADE.

"O azul é a mais bonita das cores" – Isto é uma OPINIÃO PESSOAL.

  

Ninguém pode contestar a primeira frase porque, de fato, o azul é uma cor. Não tem sentido alguém afirmar o contrário, dizendo que, na sua opinião, ou azul não é uma cor, não é verdade?

Já na segunda frase, não se pode nunca considerá-la como verdade, porque muitas pessoas podem discordar que o azul seja a mais bonita das cores. Uns apreciam mais o verde, outros o vermelho, outros o amarelo... e por aí vai.

O que é esse "colocar racionalidade", que me refiro?

É escrever ou falar coisas, colocando ferramentas ou instrumentos para fazer com que o ouvinte ou leitor raciocine, com sua própria cabeça, obviamente, chegando a conclusões lógicas, por si mesmo, e não ficar apenas concordando com o autor das idéias, pelo fato, talvez, de ter simpatia por ele.

 

Vamos, então, começar o artigo, pra valer.

Se utilizo-me da minha tribuna escrita, falada ou televisada para dizer um monte de coisas bonitas para os meus leitores, ouvintes e telespectadores, falando em moralidade, respeito humano, dignidade, decência e em amor ao próximo, mas, na prática, por trás das câmeras, vivo totalmente o contrário disto, eu sou um hipócrita.

 

Isto é uma VERDADE!

De fato, todo aquele que prega uma coisa e pratica outra, implicitamente é hipócrita.

 

Eu acho muito engraçado quando vejo religiosos, nos diversos segmentos, escreverem, pregarem e comentarem aquelas passagens de Jesus, a que se refere aos falsos profetas e as que falam em hipocrisias, e ficam com a cara mais limpa, no púlpito, passando a impressão de que estão falando dos outros e não deles. Não param para olhar para si mesmos, em auto-exames, para verificarem se a referência de Jesus não é em relação a pessoas como eles mesmos.

 

Então, por conta disto, quero ter muito cuidado para desenvolver o artigo de uma forma que ninguém possa querer afirmar que o assunto enfocado seja apenas uma opinião pessoal do Alamar, já que o que quero é que todos raciocinem, com suas próprias cabeças e não com a do Alamar, para que tirem as suas próprias conclusões, posto que inteligência é algo que existe em todo mundo, variando apenas na disposição de cada um querer exercitá-la mais e outros menos.

 

Estou fazendo este esforço enorme para sugerir aos espíritas uma melhor atenção para este assunto, que eu venho tratando há muito tempo, no sentido de que todos entendam a gravidade dele e o prejuízo que a sua não observância pode causar ao Espiritismo, sobretudo neste momento especial que a nossa doutrina está vivendo, quando os Espíritos resolveram falar pelas pedras, colocando a divulgação do Espiritismo nas mãos de não espíritas, cinema e televisão, depois de constatarem a omissão, a indiferença, a frieza e o descaso dos próprios espíritas em relação a ela. Elisabeth Jinn (novela "Escrito nas Estrelas") não é espírita, Daniel Filho (diretor do "Chico Xavier, o filme") não é espírita, a FOX não é espírita... e por aí vai.

Eles estão fazendo exatamente o que já disseram, em época passada: "Se os espíritas falharem, nós falaremos ao mundo, nem que seja pelas pedras".

Pois bem.

Creio que todo espírita racional deve entender que quando um médico prescreve a injeção Benzetacil ou qualquer outro procedimento médico que seja dolorido a um paciente, ele não estará faltando com a Caridade para com esse paciente, pelo fato do medicamento ser dolorido, não é verdade?

Por acaso, algum pai, espírita, protestaria, ficaria com raiva ou representaria judicialmente contra um enfermeiro que aplicou uma Benzetacil na bunda do seu filho, sob a argumentação de faltar com a caridade para com a criança, aplicando aquele medicamento tão dolorido?

Creio que a inteligência de quem está lendo o artigo, concorda com a minha linha de raciocínio.

 

A questão da moralidade

 

O que é imoralidade?

É o fato de uma mulher separada voltar a namorar com alguém? É o fato de alguém adotar uma opção sexual diferente daquilo que a sociedade determina como sendo o normal? É alguém usar uma linguagem com expressões populares? É alguém, de vez em quando, pronunciar um palavrão? É a pessoa que atrasa um pagamento, porque não pode pagar? é o decote de uma mulher? é o seio exposto num desfile de escola de samba? É aquela pessoa que gosta de namorar pela internet? É o que mantém relações sexuais fora da necessidade de procriação? É a relação sexual, em si? É a família que freqüenta praias de nudismo? &Eac ute; a pessoa que adotou a moda do ficar, namorando sem compromisso, porque não quer enganar os outros, enganando os sentimentos do seu próximo?...

Estas coisas citadas são consideradas, pela maioria, como imorais, mas julgadas sob a ótica do FALSO MORALISMO, ou seja, da hipocrisia.

Na realidade, o que de fato é imoral, é a pessoa fazer ao seu próximo aquilo que ela não quer que lhe façam: A falsidade, a desonestidade, o mau caratismo, o cinismo, a traição, o boicote, a sabotagem, a chantagem, o roubo, o ferir, o julgar, a postura fingida, a máscara, a enganação, a difamação, a calúnia, a fraude, o estelionato, o aproveitamento da fraqueza dos outros, a mentira que prejudica os outros e tudo isto que faz os outros sofrerem. Isto, sim, é a verdadeira imoralidade, a indecência.

Você acredita que uma moça que desfila de biquini, no carnaval, necessariamente está ali querendo fazer mal a alguém?

Quem está mais em sintonia com a imoralidade, o que se diverte brincando o carnaval, sem excessos, ou o que está no ambiente religioso, falando mal dos outros, fofocando, com sentimento de inveja, frustração e falando da vida alheia?

Conforme nos ensina o notável José Raul Teixeira, em seu magistral seminário sobre MORALIDADE, as pessoas se pegam nas moralidades de época, moralidade de região, moralidade de moda, de formalidades, de culturas diversas, de tradições, de conveniências religiosas e sociais, achando que estão praticando a moralidade autêntica.

Daí as manias do tipo:

- "Eu não gostei das palavras que você utilizou no seu artigo, para tratar de assuntos relacionados à Doutrina Espírita." O importante, para esses, é a forma das palavras e não o conteúdo e a essência da matéria em si. É espírita de casca, de superficialidade e não de profundidade.

- "Esses não são trajes, para você vir para a casa espírita". É o espírita que mede a dignidade e o nível moral das pessoas, pela roupa.

- "É, mas na palestra, Divaldo citou uma data que está errada, não é aquilo não". Esquece 99,9% de conteúdo maravilhoso, de uma brilhante palestra, que nos traz grandes ensinamentos, para se apegar a um detalhezinho meramente irrelevante, que não alterou em nada a estrutura da palestra.

- "Não gostei da palestra. Ele imita Divaldo". Ora, será que você não teve competência nenhuma para analisar o conteúdo, preocupando-se apenas com o estilo de oratória adotado pelo palestrante?

Enfim, moralidade é algo muito mais sério e mais profundo do que aquilo que os patrulhadores da vida alheia exigem dos outros.

 

Quem mais causa problema ao Espiritismo é o próprio espírita

 

Lá vem o Alamar, com suas polêmicas!!!!!!

Não se deixe levar por essas burrices de resumir e encerrar o assunto, com esse tipo de argumento.

Eu não convidei para que raciocinemos, juntos?

Por que, então, não nos disponibilizemos a raciocinar, para vermos se se trata apenas de polêmica ou de algo absolutamente cristalino, que está na nossa frente, diante dos nossos olhos, e nós fingimos que não estamos vendo?

Mas, já que falamos em polêmica, vamos questionar em cima do assunto, também:

O que é polêmica? É algo imoral, ilegal, indecente ou não recomendável?

A Wikipédia, que é hoje a mais completa enciclopédia do Mundo, diz, na rica definição de polêmica, o seguinte: "É importante salientar que polêmica não é sinônimo de brigas ou discórdia hostil". Mas, na cabeça de muitos espíritas, é.

O que seria um espírita polêmico, então?

Se eu questiono, por exemplo, a questão 86, da primeira edição de "O Livro dos Espíritos" e a 344, da sua segunda edição, que trata exatamente da mesma coisa, porém os espíritos dão respostas diferentes a Allan Kardec, eu estou cometendo algum pecado em polemizar o assunto? Deverei ser lançado à fogueira da inquisição, porque convido espíritas a estudarem, debaterem a questão e até a dialogar com espíritos desencarnados sobre o assunto?

Se eu digo que há um erro, na questão 424 do LE, um equívoco de Kardec, conforme a Ciência, eu simplesmente devo acatar a estúpida qualificação de polêmico, dada pelos preguiçosos e incompetentes, que não têm a verdadeira humildade em pelo menos procurar saber qual é o erro que o observador aponta?

Constitui algum pecado alguém optar pelo conhecimento profundo da doutrina, já que a sua inteligência não se conforma em ser espírita de superficialidade?

Pois bem, vamos avançar neste estudo, tocando mais uma vez no assunto que eu lancei, resumidamente, nos meus últimos artigos:

 

O espírita doutrinador de mediúnicas

 

Observe só, que coisa mais interessante:

Numa reunião mediúnica vêm espíritos sofredores e também espíritos inferiores do mais baixo nível moral, bem primitivos, perversos, vingativos, sanguinários, carregados de ignorância e ódio profundo em relação às pessoas que não suportam. Vêm, inclusive, padres, que viveram encarnados na terra, no período da inquisição, que nutrem um ódio terrível contra o Espiritismo, o qual considera o máximo em heresia, ameaçando fazerem de tudo para destruírem a nossa doutrina, atrapalhando toda e qualquer tarefa espírita, em obsessões terríveis aos trabalhadores.

Aí aparece a figura do doutrinador, que o "leva no papo" durante um curto espaço de tempo que, invariavelmente, não chega a cinco minutos.

De repente todos os demais participantes da mediúnica percebem aquele espírito primitivo, sofredor e perverso, chorando, manifestando o seu arrependimento por tanta maldade que praticou contra a pessoa perseguida ou contra o Espiritismo, prometendo que, a partir daquele momento, não voltará a praticar maldade nenhuma e chega até a pronunciar as palavras do "Pai Nosso, que estás nos céus...", citada pelo doutrinador.

E todo mundo comenta:

- "Você viu, aquela entidade pesada, que veio na mediúnica ontem?

- "Eu vi, sim. Ainda bem que foi doutrinada, graças a Deus."

Que conclusão a nossa racionalidade chega, a respeito da competência do doutrinador de mediúnica?

É gênioooooo!!!! É fantástico!!! Nada mais é que um SUPER PSICÓLOGO! Tem uma capacidade de convencimento fora do comum e impressionante, que nem Jesus teve em relação a Satanás, nos dias em que viveu no deserto, não é verdade?

Consegue, em apenas 5 minutos, converter ao bem uma alma que passou séculos e séculos praticando maldades e perversidades.

Eu acho que os pais que têm filhos envolvidos no vício das drogas, deveriam chamar um doutrinador de mediúnica para conversar com eles, tamanha a capacidade de convencimento. O garoto iria abandonar a cocaína, na hora, e abriria imediatamente o Evangelho, convidando toda a família a praticar, assiduamente, o culto no lar.

 

Agora, acompanhe a minha linha de raciocínio, que procurarei desenvolver dentro da lógica:

Se o doutrinador de mediúnica, que é um simples trabalhador da casa, na maioria das vezes não é nem membro da diretoria do centro, tem toda essa competência, imagine o nível de competência daquele que é Diretor Doutrinário e também do que é PRESIDENTE DO CENTRO!!!

Já pensou? Tanto um quanto o outro deve ser capaz de convencer até o Capeta a ser bonzinho.

Agora leve esta linha de raciocínio a dimensionar a capacidade do presidente da Federação Espírita do seu estado.

Pois bem.

Não é o Alamar quem está inventando; todo espírita sabe disto e entende que o doutrinador de mediúnica realmente tem essa capacidade.

Agora perguntemos:

Por que não chamam um doutrinador, super psicólogo, como este, para conversar com aquele companheiro, encarnado, que a direção do centro acha que é um companheiro difícil, só porque tem algumas divergências na forma de pensar e conceber certas coisas?

O que seria mais difícil da gente convencer, um espírita, encarnado, que já é espírita, que é também estudioso da doutrina, que apenas não pensa, EM APENAS ALGUNS PONTOS, exatamente igual a gente, ou um padre, desencarnado do tempo da inquisição, que nunca estudou espiritismo, que vê a doutrina como heresia, que tem um ódio mortal do Espiritismo e que sente o sádico prazer em ver um ser humano ser queimado vivo numa fogueira?

É claro que convencer o companheiro, que já é espírita, é bem mais fácil, não é verdade?

Se com apenas cinco minutos de bate papo na mediúnica, se convence um padre desencarnado, neste caso bastaria apenas um minuto.

E daí perguntamos:

Por que não fazem isto?

Por que optam por aplicar SEVERAS PUNIÇÕES no companheiro, sem dizer a ele porque ele está sendo punido e sem lhe dar o sagrado direito de defesa?

Afinal de contas, não somos espíritas honestos, bonzinhos, fraternos, caridosos, estudantes do ESDE e até indulgentes com as faltas do nosso próximo, a ponto de demonstrarmos isto em relação até a criminosos, nas mediúnicas? Não é isto que o Evangelho nos ensina?

Que diabo de contradição é essa? Pra que serve o Evangelho, então?

 

Conclusão a que se chega

 

Ou a doutrinação das mediúnicas é uma tremenda e ridícula fraude ou os espíritas são, de fato, altamente hipócritas e falsos moralistas.

Tem como alguém discordar disto?

Gente, uma das piores coisas do mundo é alguém apanhar, sem saber porque está apanhando. É crueldade extrema, é perversidade demais.

E isto acontece muito, em nosso movimento espírita.

Em  nível de comparação, se você observar bem, vai verificar que a justiça comum, dos homens, aquela que a gente aponta como corrupta, venável e vergonhosa, dá a qualquer bandido, inclusive aos réus confessos e praticantes de crimes hediondos, o direito de defesa, o direito de constituir um advogado e o direito de ser questionado diante de um júri. Não existe condenação, sem um julgamento antes. A própria polícia, também considerada problemática, em todo inquérito policial, dá ao delinqüente o direito de defesa.

No movimento espírita isto não existe!!!!! As pessoas são condenadas, vergonhosamente, sem saber porque estão sendo condenadas, sem que lhes sejam dados os direitos de defesa.

Mandam para a fogueira, mesmo, sem piedade e que se danem!

Desafio a qualquer espírita, desses que vivem a afirmar que não gostam do estilo do Alamar, a vir a público PROVAR que o Alamar está errado, nisto que está aqui afirmando.

Meu amigo e minha amiga. Vocês não têm idéia da quantidade de e-mails que tenho recebido, na última semana, de Norte a Sul do Brasil e do exterior, (Estados Unidos e Europa, principalmente Portugal) com pessoas se manifestando assim:

- "Alamar, eu fui vítima disto, aqui em minha cidade, no centro onde trabalhava. Eu conheço várias pessoas que foram e estão sendo vítimas disto. Você acertou na mosca, é fato inquestionável, é realidade".

É fato, gente! Você vê isto, do Amazonas ao Rio Grande do Sul. É por isto que eu não me canso de falar neste assunto.

Chega a ser vergonhoso e criminoso.

 

Veja alguns exemplos, de como a coisa funciona

 

- "Não podemos permitir que tragam o fulano para vir à nossa cidade e fazer palestra no nosso centro, porque ele é muito polêmico".

 

É possível ter postura mais ridícula do que esta, para a direção de uma instituição espírita?

Vejam bem: Não negaram a tribuna do centro a uma pessoa por ser corrupta, criminosa, ladrona, enganadora, falsária, estelionatária, assassina, traficante de drogas e bandida não, negaram porque a pessoa, segundo afirmam, é polêmicaaaaa!!!!

Que tipo de competência pode ter um dirigente de uma instituição espírita, que não é capaz de enfrentar alguém que venha a levantar alguma polêmica, no centro em que dirige ou que, até mesmo, venha a pronunciar alguma coisa que possa gerar alguma confusão de entendimento do público ou que até mesmo seja contrária ao Espiritismo?

Serpa que esse dirigente conhece mesmo a Doutrina Espírita?

Eu não me considero nenhum expert no Espiritismo e muito menos detentor do conhecimento total e absoluto, como alguns confrades imaginam conhecer, mas se eu tiver na direção de um centro, convidar um palestrante e ele disser alguma coisa que seja contraditória à doutrina, ou mesmo que gere alguma confusão de entendimento, não tenham a menor dúvida de que, com todo carinho, todo respeito e consideração eu vou pedir explicação para ele, vou pedir para esclarecer melhor e vou até discordar, frente ao público, sem problema nenhum.

E depois, no final, ainda o levarei à cantina do centro ou fora, com outros amigos, para comermos uma pizza.

Qual o problema em ter divergência de pensamento e poder discutir em cima dessa divergência?

Por acaso, pensar diferente, necessariamente tem que fazer com que viremos inimigos?

Não é muito mais saudável, honesto, digno, coerente e compatível com a doutrina espírita do que adotar a estúpida, indecente e ridícula mania do proibir de falar no centro, condenar sem avisar e ainda promover campanha de difamação junto a outras casas espíritas?

Infelizmente, gente, muitos dirigentes espíritas são como as abelhas, que trazem mel na boca e um ferrão na extremidade oposta.

 

Veja como a coisa é podre 

 

Você precisa saber, como a coisa funciona.

Em princípio, a liderança espírita que proíbe, boicota, sabota ou difama alguém, sempre faz todos os esforços para ninguém saber que foi ela a responsável pelo ato. Aos que procuram saber, sempre esquiva-se dizendo que a providência foi tomada por uma abstrata direção da instituição. Nunca aparece um responsável.

Na realidade, a essa criatura que é capaz de fazer uma coisa desta e trata de precaver-se não deixando que os outros saibam da sua atitude, no íntimo sabe da sujeira que está fazendo, do delito que está cometendo e do nível mesquinho do seu caráter, pois, caso contrário, assumiria a responsabilidade e teria coragem de dizer: "Eu sou o responsável, pela proibição do nome dele, ou dela, em nossa casa, enfrento a situação, encaro e enquadro a minha decisão na obra básica, disponibilizando-me até a debater, em público, com a pessoa em questão, as razões da minha decisão". Seria bem mais elegante, mais digno e mais honesto.

Uma doutrina que se propõe a ensinar reforma íntima e moral aos outros, deve, no mínimo, ter nos seus líderes, criaturas já reformadas e praticantes da moralidade que pretendem ensinar. Caso contrário, constitui-se numa legião de cegos que pretendem guiar cegos, autênticos hipócritas.

 

Sugestão aos trabalhadores espíritas

 

Volto a sugerir aquilo que já o fiz, em mensagens passadas:

Não permitam, em hipótese alguma, que os dirigentes do centro espírita onde você freqüenta venham impor o que você deve ler e a quem você deve escutar, sob pena de passar atestado de burro a você mesmo. Isto é censura, isto é ditadura.

Não permitam que subestimem a sua inteligência e a sua capacidade de discernir.

Não aceitem as argumentações de que você está praticando indisciplina, só porque está exercendo o seu sagrado direito de questionar. Há sempre uma tendência de dizerem que os questionadores são indisciplinados.

Consolide bem o seu conhecimento doutrinário, para ter condições de enfrentar uma criatura dessas, cara-a-cara, sem qualquer temor e insegurança.

Não aceite que dirigentes do seu centro proíbam de falar na casa, expositores que você e os freqüentadores gostam e admiram, sem exigir que eles venham a público falar das reais razões pelas quais o expositor fora proibido, sem abrir mão de enviar, ao expositor, por escrito, os motivos da proibição, a fim de que ele tome conhecimento, corrija os seus erros doutrinários, se de fato os tiver, e que exerça o seu direito de defesa.

Foi acusado de desvio doutrinário? Sim, foi este o motivo. Então exija o enquadramento do desvio, nas Obras Básicas, e apresente.

Não aceite, em hipótese alguma, aquela argumentação do tipo "Foi determinação da diretoria", que tenta encerrar a discussão, porque toda vez que esse argumento é utilizado, certamente existe mau caratismo de alguém ou de um grupo.

Se existe, por exemplo, um programa de rádio espírita, na cidade, ou um grande evento, e você percebe que não é convidado um determinado companheiro ou uma companheira, que todo mundo sabe se tratar de um espírita importante e de destaque na cidade, que fala bem, que conhece a doutrina, pode botar a boca no trombone, porque você estará diante de um "fraterno" boicote e sabotagem ao nome dessa pessoa. Espalhe pra todo mundo, dê conhecimento do fato a outros freqüentadores da casa e não fique fingindo-se de bonzinho, como muitos querem, sob a omissa orientação de que é melhor se calar. Quem se cala diante das injustiças, vive em conivência com elas. 

Que existem malucos, utilizando tribunas de centros espíritas, pra dizerem um monte de bobagens, em nome da doutrina, isto é fato e ninguém pode questionar a indispensável filtragem que deve existir. Só que a maioria dos procedimentos aos quais eu me refiro, não tem a ver com isto e não pode sofrer generalização, sob este argumento. Saiba que espíritas tentaram calar o próprio Kardec, na sua época.

No caso que enfoco, é problema pessoal mesmo, é incompetência para dialogar, em profundidade, com um companheiro que muitas vezes sabe bem mais que a gente, como foi o caso do Doutor Hernani Guimarães Andrade, que sofreu o pão-que-o-diabo-amassou na intolerância de muita gente, e vários outros.

Blaise Pascal tem uma frase célebre: "O homem está disposto sempre a negar tudo aquilo que não compreende".   

A Psicologia demonstra que o medíocre sempre se esforça para ofuscar a imagem dos competentes, na sua área, sob o temor da platéia perceber o quanto ele é pequeno.

 

A minha solidariedade 

 

A minha solidariedade a inúmeros e gigantes trabalhadores da causa espírita, pelo que lhes fizeram os radicais e intolerantes do movimento espírita:

  • A Allan Kardec, pelo que fizeram aqueles espíritas, do seu tempo, que tentaram lhe calar, sob calúnia e difamação, depois da iniciativa das viagens espíritas.
  • Ao Bezerra de Menezes, pelos que infernizaram a sua vida, pelo seu amor ao espírito Maria (mãe de Jesus) e pela sua disposição de aceitar a presidência da FEB.
  • Ao Chico Xavier, quando no início da sua tarefa, alguns o boicotaram, por considerar a sua obra fantasiosa, inclusive deixando o "Nosso Lar", por mais de quinze anos, na geladeira.
  • Ao Cairbar Schutel, por aqueles ridículos que tentaram caçar-lhe a palavra, no centro, sob argumentação de que queria aparecer e se auto-promover, por tanto utilizar o rádio.
  • Ao Deolindo Amorim, pelos que caçaram a sua palavra, por considerarem que a fundação do Instituto de Cultura Espírita do Brasil era uma presunção sua, de se auto afirmar culto.
  • Ao Leopoldo Machado, pelas dificuldades que lhe criaram, por resolver sair pelo Brasil, divulgando o Pacto Áureo.
  • Ao meu querido amigo Divaldo Franco, pela intolerância dos imbecis que tentaram lhe caçaram a palavra e, inclusive, destruírem a sua imagem no Fantástico da Globo, sob a ridícula argumentação de que o seu trabalho era plágio do Chico.
  • Ao Luciano dos Anjos, por aqueles que lhe ofendem e chegam a lhe odiar, porque exerceu o seu direito de, também, gostar e defender a obra de Roustaing, além da de Kardec. 
  • Ao meu querido e inesquecível amigo Hernani Guimarães Andrade, pela ridícula postura dos que lhe caçaram a palavra, por não terem o mínimo de competência para acompanharem a sua brilhante cultura, genialidade e inteligência.
  • Ao Henrique Rodrigues, pelas mesmas razões do boicote ao Hernani.
  • Ao Hermínio Miranda, por tantos dissabores que lhe causaram, a ponto de se afastar definitivamente do movimento, para não se decepcionar mais.
  • Ao José Medrado, pelo boicote que lhe fazem, devido a incapacidade de aceitarem o fantástico estilo de comunicação que você adotou, para divulgar a doutrina espírita, que faz tanta gente feliz, saindo do mesmismo e do igrejismo.
  • Ao Carlos Bacelli, pela burrice e incompetência que grande parte do movimento tem em não lhe chamar, para uma tribuna, a fim de discutirem e questionarem, cara-a-cara, à Luz das Obras Básicas, as obras que chegam por seu intermédio, seja do doutor Inácio ou de que espírito for, preferindo condenar-lhe, sem lhe dar o direito de defesa.
  • Ao Wanderley Oliveira, pela disposição, também, de condenarem as suas obras, sem fazerem contigo o mesmo que sugiro que façam ao Bacelli.
  • Ao Clovis Nunes, pela queima que fizeram do seu nome, em nível nacional, por não entenderem a profundidade dos seus questionamentos e por considerarem heresia a sua sugestão de criação de "O Livros dos Espíritos 2" e da disposição de diálogo profundo com os Espíritos.
  • Ao Djalma Argolo, pelos que lhe caçaram a palavra, por causa das suas brilhantes colocações em seu livro "A Dimensão Humana do Cristo", colocando Jesus como um humano normal, que viveu sobre a Terra, que sentava em vaso sanitário, sem lhe faltar com a consideração, o respeito e a consideração merecedora.
  • E a todos aqueles, nas diversas cidades do Brasil e do exterior, que estão impossibilitados de falarem, pela Doutrina, porque estúpidos, indecentes e ridículos supostos donos do Espiritismo inseriram os seus nomes em "index", por não poderem lhes colocar nas chamas da fogueira ou sob a lâmina da guilhotina.

- "Quem insiste em julgar os outros, sempre tem alguma coisa a esconder." - Renato Russo.

 

Que esta matéria sirva para a reflexão de muita gente, em nosso movimento, para que, a partir deste maravilhoso ano de 2010, possamos estar bem preparados, principalmente do ponto de vista moral, muito bem ajustados e equilibrados, para recebermos a enorme avalanche que começou a procurar pelo Espiritismo, por conta da brilhante divulgação que está sendo feita pela televisão e pelo cinema.

 

Carinhosamente.  

 

Alamar Régis Carvalho

alamar@redevisao.net

www.redevisao.net

www.site707.com   

      

Ah, tem outra coisa: Você, que gosta do Alamar, dê uma entradinha em nosso site: www.redevisao.net bote o seu e-mail lá, na opção QUERO SABER MINHA SENHA, pegue uma senha, e atualize os seus dados no nosso banco de dados. É que eu me correspondo com muita gente, nunca mais fiz estatística, e gostaria de saber um pouco mais o perfil do público atual, com o qual me correspondo. Se você recebe e-mail meu, com certeza tem registro seu lá e uma senha existe. Basta botar o e-mail, que ela segue, também por e-mail, na hora.

 

Alamar Régis Carvalho - Analista de Sistemas - E-mail: alamar@redevisao.net  orkut: "alamarregis"  www.redevisao.net



Se você não deseja mais receber nossos e-mails, cancele sua inscrição neste link



Nenhum comentário:

PARA PARTICIPAR DO GRUPO NO YAHOO GRUPOS:
Assinar irmaosdeluz

Desenvolvido por br.groups.yahoo.com