sexta-feira, 1 de outubro de 2010

TEMA PARA DEBATE: CHICO XAVIER REENCARNAÇÃO DE ALLAN KARDEC?






foto ilustrativa

CHICO XAVIER A REENCARNAÇAO DE ALLAN KARDEC
cod. produto: 3718

 

Tipo:  LIVRO     Categoria:  ESTUDOS E PESQUISAS

Autor:  CARLOS A. BACCELLI

Editora:  LEEPP

Preço unitário:  R$ 20,00

 

 


Quantidade:     ComprarComprar

Sinopse:

Estudo  comparativo  e  convergente  da  Vida  e  Obra  de  Allan  Kardec  e  Chico  Xavier,  demonstrando,  segundo  conclusão  do  autor  e  outros  importantes  depoimentos,  trata-se  do  mesmo  espírito,  em  duas  épocas  distintas  dando  cumprimento  à  mesma  tarefa  sob  a  égide  do  Cristo.     

 

Portal do Espírito

 

Mapa do Site | Pesquisa no Site

 

Página principal » Artigos » Diversos » Chico Xavier

Porque creio que Chico foi Kardec

Carlos A. Baccelli

Os motivos que me levam a uma convicção pessoal de que Chico Xavier tenha sido a reencarnação de Allan Kardec tão numerosos e distintos são que passarei a expor alguns deles, sem o menor propósito de polemizar em torno do assunto.

  1. Tendo convivido com o médium por mais de 25 anos, não observei diferença significativa entre a sua personalidade e a do Codificador. Consideremos, segundo nos é dado depreender das informações prestadas pelos principais biógrafos de Kardec e dos escritos de sua própria lavra, que ambos eram, quando necessário, austeros e amáveis, determinados e bons.
     
  2. Chico Xavier - creio que todos concordam a respeito - foi o legítimo continuador de Kardec, no que tange ao desdobramento da codificação e à tarefa de difundi-la, através da palavra e do exemplo.
     
  3. Após o 2 de Abril de 1910, data do nascimento de Chico, o espírito de Allan Kardec não mais estabeleceu, ele mesmo, qualquer contato mediúnico confiável com os encarnados.
     
  4. O Espírito Verdade, coordenador espiritual de imensa equipe que o assessorava e um dos seus Protetores, havia lhe informado, em mais de uma ocasião, que, dentro de pouco tempo, ele tornaria a reencarnar para dar seqüência à obra encetada.
     
  5. O próprio Kardec, elaborando os cálculos, deduziu que a sua volta à Terra se daria no final daquele século ou no começo do outro.
     
  6. Chico Abraçou a mediunidade aos 17 anos de idade; os Espíritos haviam dito a Allan Kardec que, quando ele voltasse à Terra seria em condições que lhe permitissem trabalhar desde cedo.
     
  7. Emmanuel, um dos Espíritos Codificadores, foi, ao lado do Dr. Bezerra de Menezes e tantos outros, o coordenador da tarefa mediúnica de Chico Xavier.
     
  8. O Mentor da "Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas" fundada por Kardec, era São Luis; o do Centro Espírita de Pedro Leopoldo, fundado por Chico Xavier, é São Luis Gonzaga.
     
  9. Se Chico não foi a reencarnação do Codificador, conclui-se naturalmente que ele não reencarnou e que, portanto, o Espírito Verdade se enganou no que lhe disse, o que - convenhamos - colocaria em questão a sua condição espiritual.
     
  10. Se a espiritualidade superior tivesse mudado de planos - o que é inconcebível, depois de anunciá-los -, porque o grande silêncio de Allan Kardec, através da maior antena psíquica do século: Chico Xavier?
     
  11. Chico , com freqüência, se referia a Jesus e aos Espíritos amigos, mas pouco mencionava o nome de Allan Kardec.
     
  12. Para os íntimos, Chico revelava um conhecimento da vida do Codificador que não encontramos em nenhuma de suas biografias. Contou a mim e a outros , por exemplo, que um de seus sobrinhos, após o seu desenlace, entrou na justiça reivindicando parte dos direitos autorais das obras da Codificação, o que, segundo o médium, atrasou a divulgação da Doutrina em 50 anos: Coincidência ou não, Chico teve um sobrinho que lhe criou sérios problemas, em caluniosa difamação plenamente infundada.
     
  13. Chico não se casou e, embora Kardec tenha se consorciado, segundo o médium, ele e D. Amélie Gabrielle Lacomb Bouded, que era 9 anos mais idosa do que ele, cultivavam um amor puro: ela nutria por ele verdadeiro zelo maternal. Isto me foi dito pelo próprio Chico, conforme a Dra. Marlene Rossi Severino Nobre, que também estava presente na ocasião, escreveu em um artigo da "Folha Espírita".
     
  14. Outras "coincidências" nos fazem pensar: Kardec desencarnou em 31 de março e foi sepultado no dia 2 de abril, data do nascimento de Chico Xavier, tendo o seu corpo ficado exposto à visitação pública durante 48 horas; o mesmo pedido foi feito por Chico Xavier aos seus amigos.
     
  15. Era hábito de Kardec efetuar doações financeiras a amigos em dificuldades, encaminhando-as em nome dos Bons Espíritos; o mesmo fazia Chico Xavier, inclusive empregando a mesma terminologia do Codificador. Diga-o quem, neste sentido, tenha sido beneficiado pelo médium.
     
  16. Existem fotos de Kardec e Chico que poderiam ser sobrepostas, tal a semelhança de postura entre os dois; é espantosa a semelhança revelada entre as mãos de um e de outro, além do costume de Chico sempre usar paletó, mesmo sendo o Brasil um país de clima tropical.
     
  17. Em Uberaba, e acreditamos em outras cidades, vários médiuns confirmavam que Chico era a reencarnação de Allan Kardec, inclusive notável medianeira Antusa Ferreira Martins, que era surda-muda e analfabeta, portanto incapaz de ser influenciada por especulações neste sentido.
     
  18. Entre os que contestam ser Chico a reencarnação de Kardec, há os que afirmam que o Codificador não teria sido tão tolerante quanto Chico o foi com o que lhe sucedia ao redor, envolvendo irmãos de ideal e outros, esquecendo-se de que, em "Obras Póstumas", o Codificador não hesita ao confessar que a "Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas" havia se transformado em um foco de intrigas contra ele e que enfrentara inúmeros dissabores inclusive traição.
     
  19. Chico jamais confirmou ser a reencarnação de Allan Kardec; ao contrário quando não fazia questão de negá-lo, inclusive em entrevistas, respondia reticentemente em torno do assunto.
     
  20. Poderiam, perfeitamente, ser de Chico Xavier as seguintes palavras de Allan Kardec: "Sentia que não tinha tempo a perder e não perdi; nem em visitas inúteis, nem em cerimônias estéreis. Foi a obra de minha vida. Dei-lhe todo o meu tempo, sacrifiquei-lhe o meu repouso, a minha saúde, porque diante de mim o futuro estava escrito em letras irrecusáveis.
     
  21. Chico e Kardec eram assim: "Aos domingos - escrevia ainda Leymarie -, sobretudo nos últimos dias de sua vida, convidava amigos para jantar em sua Vila Ségur (Chico os convidava aos sábados, para almoçar). Então, o grave filósofo, depois de haver batido os pontos mais difíceis e mais controvertidos da Doutrina, esforçava-se para entreter os convidados. Mostrava-se expansivo, espalhando bom-humor em todas as oportunidades".
     
  22. Kardec e Chico, acima de tudo, tinham e têm um acendrado compromisso com o Evangelho de Jesus, em sua obra e em sua vida.

Ao terminar, esclareço que, sendo adepto de uma doutrina de livre expressão, qual é o Espiritismo, reivindico para mim o direito de pensar como penso e deixo exarado neste testemunho, sem, evidentemente, negar a qualquer outro o direito de discordar de minhas convicções, sem que me sinta, necessariamente constrangido a transformar o assunto em polêmica sem proveito, com responder a objeções que o tempo, e somente o tempo, haverá de fazer.

Matéria contida na revista "Goiás Espírita" Ano7 - nº 23 - 2003.

Sim, Chico Xavier foi Kardec. E daí?

 

Alan Souza

Antes de mais nada, a todos que dediquem seu tempo para ler estas despretensiosas linhas, peço desculpas pela agressividade do título. Mas foi uma agressividade calculada, dessas sacudidas que às vezes levamos para despertar de um certo torpor – ou embriaguez, se assim quiserem – ao qual nos entregamos.

Continuando, digo logo que não pretendo defender nenhuma das duas correntes que se embatem – embora com educação e civilidade, como sói ser – na polêmica-tema do momento do Movimento Espírita: teria sido Chico Xavier a reencarnação de Allan Kardec, o genial Codificador de Lyon?

Digo, sim, e com todas as letras – perdoem-me a franqueza – que a discussão é estéril. Algo virtualmente impossível de se confirmar. E, por ser estéril, é perigosa e desgastante, como toda polêmica sempre é. Além do mais, do ponto de vista do avanço doutrinário, a perlenga é absolutamente inútil.

Iniciemos pela esterilidade da questão: o fato de ser Chico Xavier a reencarnação de Allan Kardec é algo de uma magnitude tão ampla que somente uma "investigação" espiritual muito séria e aprofundada poderia afirmar, sem sombra de dúvidas. Somente uma mensagem abalizada, de uma entidade espiritual de porte poderia atestá-lo. Nada contra nossos inúmeros irmãos que atuam, nos auxiliando no Mundo Espiritual. Mas informação dessa natureza, a causar tamanha comoção na Obra Espírita – como de fato tem causado – somente os Coordenadores da tarefa teriam autorização para fazê-lo. Lembremo-nos de que no Mundo Espiritual existe uma Ordem e uma Hierarquia tais que, a mais prefeita organização terrena é apenas um mero e muito imperfeito simulacro...

Avançando, diremos que a questão é inútil. Porque em nada nos acrescenta como Espíritas. Dá-nos a certeza da reencarnação? Não, nós já a tínhamos há muito. Dá-nos mais alento para prosseguir na caminhada? Não, esse alento nos é dado diariamente, pelas obras e pela lembrança não só de Chico Xavier, mas também de Yvonne Pereira, Hermínio C. Miranda, Herculano Pires, Batuíra, enfim, tantos irmãos conhecidos na Doutrina, e por tantos outros anônimos, que seria impossível referir ao menos à decima parte.

A certeza de que Chico Xavier seria Kardec reencarnado somente nos daria uma certeza a mais daquilo que o inesquecível médium das Geraes colocou no papel, através do espírito de Humberto de Campos: o Brasil é a Pátria do Evangelho. Mas, repito, seria apenas uma certeza a mais. Apenas colocaria mais um único tijolo no edifício de nossa fé raciocinada.

O próprio Chico, das resplandecentes regiões onde se encontra, deve estar docemente sacudindo a cabeça, de um lado a outro, com um sorriso de reprovação pela contenda em torno de sua pessoa. Ele, que dedicou boa parte da sua última existência a promover o Espiritismo, e a esquivar-se de qualquer homenagem pessoal, na sua infinita humildade, jamais aceitaria que se fizesse tanto barulho por isso, com irmão ilustres do Movimento mobilizando forças e esgrimindo artigos na imprensa espírita, de lado a lado, cada qual defendendo sua tese...

Aliás, toda vez que alguém levantava a hipótese de que Chico teria sido Flávia, a filha do senador Públio Lêntulo, curada da doença pelo Cristo, o médium mineiro recusava-se a confirmar tal fato, dizendo que o importante era o aqui e o agora, o esforço de cada um para sua própria melhoria e a busca do auxílio aos irmãos necessitados.

Se Chico foi ou não Kardec, isso não terá qualquer influência na obra colossal do Mineiro do Século, que nos legou uma coleção de livros de honrar qualquer doutrina religiosa, abordando os temas mais diversos, com caracteres científicos, filosóficos, morais e religiosos profundos e variados. Chico veio com uma missão, uma missão da qual se desincumbiu com perfeição, e que em tudo independeu de quem ele fora em suas vidas anteriores.

Chico Xavier veio para não deixar dúvidas. Para dar testemunho da mediunidade, escancarando as regiões onde vivem os espíritos à nossa insaciável sede do Divino. Psicografou cerca de 20 mil cartas dos desencarnados a seus parentes, mitigando dores e dando a todos o conforto, além de reforçar a necessidade da caridade – ajude e será ajudado, era seu bordão franco nesses casos.

Chico veio para converter as mais incrédulas e endurecidas inteligências, todas tão ensoberbecidas e inchadas de sí mesmas, veio para provar ao homem que o Além é logo alí, que o desencarne não demora e que, quando vemos, esta vida já passou, às vezes rápido demais para nossos relutantes e teimosos hábitos de perder tempo com coisas inúteis e discussões estéreis...

Que bom seria, para a Doutrina Espírita e para todos nós, se lembrássemos diariamente que Chico veio ao mundo para isso. Para nos consolar. Para nos reacender o sentimento de amor, humildade e renúncia. Para ilustrar o significado da palavra doação, quando aplicada ao próprio homem. Para nos instruir, através dos Espíritos Superiores. Para nos fazer mais felizes, por ele ter existido.

Que bom se todos pensassem que, quando veio ao mundo, Chico veio pensando exatamente nisso, e fez tudo isso sem se preocupar consigo mesmo. E olhem que ele veio sem olhar para trás...

(Advogado e Professor, Alan Lacerda de Souza tem 33 anos e é espírita há 15, em Belém/PA)

Quem é a reencarnação de Kardec: Chico Xavier ou Alziro Zarur ?

 

Autor :

Pr. Natanael Rinaldi

Publicado em :

Sexta, 18/05/2007

 

Não se pode negar que a doutrina da reencarnação é a doutrina mais saliente do espiritismo. Admitindo como natural e espontânea a reencarnação, AK afirma: "Como quer opinemos acerca da reencarnação, quer a aceitemos, quer não, isso não constituirá motivo para que deixemos de sofrê-la, desde que ela exista ." Como parece tão óbvia a reencarnação para os espíritas, a FOLHA ESPÍRITA de junho de 1998, na primeira página dessa edição, em grandes manchetes trouxe o título "A VOLTA DE ALLAN KARDEC". Com esse título tomou-se conhecimento de que em mensagem de Hilário Silva, recebida pelo médium Antônio Baduy filho, na reunião de abertura da 34º Confraternização de Mocidades e Madurezas Espíritas do Triângulo Mineiro (COMMETRIM) na noite de 31/10/1997, em Ituitaba-MG, tomou-se conhecimento de que Chico Xavier era a reencarnação de Allan Kardec.

O mesmo jornal, FOLHA ESPÍRITA, publica uma entrevista de Marlene Nobre, que, indagada como recebeu a mensagem de Hilário Silva, declarou: " Com naturalidade e, porque não dizer, com um misto de alegria e alívio. Naturalidade, porque há cerca de 40 anos tenho certeza de que Chico Xavier é a reencarnação de Allan Kardec, o Apóstolo da Renovação Humana, segundo a feliz denominação de Emmanuel."


ALLAN KARDEC


Poucas pessoas sabem que Allan Kardec é o pseudônimo de um homem, cujo nome verdadeiro é Hippolyte Léon Denizard Rivail. Nasceu Hippolyte Léon Dinizar Rivail em Lion, na França, no dia 3 de outubro de 1804. A partir de 1855, dedicou-se inteiramente ao espiritismo. A partir de 18 de abril de 1857 desaparece Hippolyte Léon Denizard Rivail para dar lugar a Allan Kardec. Morreu no dia 3l de março de 1869, em Paris, com a idade de 65 anos incompletos. Os livros escritos por Allan Kardec, que constituem a codificação do espiritismo são:

1. O Livro dos Espíritos (publicado em 18 de abril de 1857, em francês)

2. O Que é o Espiritismo (1859)

3. O Livro dos Médiuns (186l)

4. O Evangelho Segundo o Espiritismo (1864)

5. O Céu e o Inferno (1865)

6. A Gênese (1868)

7. Obras Póstumas (publicado depois da sua morte, ocorrida em 31 de março de 1869)


CHICO XAVIER

Francisco Cândido Xavier nasceu a 2 de abril de 1910, em Pedro Leopoldo, MG. Afirma ter tido as primeiras visões aos 4 anos. Por duas vezes teve o nome indicado para concorrer ao Nobel da Paz (198l e 1982). Psicografa desde 1927. Parnaso de Além-Túmulo, primeiro livro psicografado, foi lançado em 1932. Aos 88 anos de idade, e com a saúde já muito abalada, o mais célebre médium brasileiro reside na Casa da Prece, Av. João XXIII, no bairro do Aeroporto, Uberaba-MG, conhecida como a capital do Espiritismo Kardecista no Brasil. Para lá convergem milhares de pessoas de todo o Brasil. Já publicou 408 livros, sendo o único escritor espírita que supera Allan Kardec. Definindo sua razão de viver, declara ele: "Ah... mas quem sou eu senão uma formiga, das menores, que anda pela terra cumprindo sua obrigação."(ISTO É/1358-11-10-95, p.101)


PARADOXO: DOIS KARDECs REENCARNADOS AO MESMO TEMPO?


Pode parecer estranha essa nossa pergunta, "Como podem duas pessoas alegarem ser a reencarnação de Allan Kardec, considerando que ambos viveram na mesma época? É que o fundador da Legião da Boa Vontade também alegava, enquanto vivia, ser a reencarnação de Allan Kardec. Citando uma das obras de AK, Alziro Zarur afirmava que ele viera completar a obra de Kardec, trazendo para o mundo a quarta revelação de Deus aos homens. Como sabemos, AK reclama ser o Espiritismo a terceira revelação de Deus aos homens. A primeira revelação foi dada por Moisés, e surgiu o Velho Testamento. A segunda revelação veio por Jesus Cristo, e surgiu o Novo Testamento. A terceira revelação seria o cumprimento da promessa de Jesus de mandar o Consolador, com a chegada do Espiritismo codificado por AK. Agora, surgiu a quarta revelação reclamada pelo fundador da LBV, Alziro Zarur, que se propôs completar a obra iniciada por AK.

Diz ele:

"Allan Kardec recebeu de Seus Amigos Espirituais em meados do século passado, a notícia de que regressaria à Terra para completar a sua missão, porque o Espiritismo não dera a última palavra."... Ora, tudo isso está matematicamente cumprido no Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho e do Apocalipse, graças à ação heróica, pertinaz de Alziro Zarur: Kardec veio. Cumpriu, na íntegra, a segunda metade de sua admirável tarefa missionária."... "... os irmãos espíritas, diante da marcha inexorável da Verdade, reconhecerão que Alziro Zarur foi Kardec que voltou. E completou a missão do Espiritismo, com a RELIGIÃO DE DEUS..."( A Saga de Alziro Zarur-III, JESUS, Zarur, Kardec, Roustaing Na Quarta Revelação, 5ª edição, p. 11-13)

É possível? Pergunta que deixamos para os espíritas responder...


REENCARNAÇÃO: TEORIA OU FATO?

A teoria da reencarnação é a principal doutrina do espiritismo. Tudo no espiritismo se centraliza nessa palavra. Embora AK não goste de admitir a palavra dogma, chega a afirmar que a reencarnação é um " dogma". A palavra reencarnação é formada de dois vocábulos: 1) re (que indica repetição) e 2) encarnar (tornar a tomar corpo ou tornar-se carne).

Significa, pois, o vocábulo reencarnação tornar a tomar corpo. A frase célebre esculpida no túmulo de AK, em Paris, sintetiza a doutrina ensinada por ele: "Nascer, morrer, renascer e progredir sempre; esta é a lei.

Allan Kardec assim define a reencarnação: "A reencarnação é a volta da alma à vida corpórea, mas em outro corpo especialmente formado para ela e que nada tem de comum com o antigo." Ainda explica ele que: "A pluralidade das existências, difere essencialmente da metempsicose, em não admitir o espiritismo a encarnação da alma humana nos corpos dos animais, mesmo como castigo. Declara que as almas não regridem mas sempre progridem. Por fim, o espírito fica sendo puro espírito, espírito bem-aventurado. Ensino totalmente contrário à Bíblia que fala da redenção por Cristo e ressurreição do corpo como estado final. " "Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles."(Hb 7.25) "Não vos maravilheis disto; porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação. (Jo 5.28,29)


DOUTRINA DOS ESPÍRITOS OU DE ALLAN KARDEC?


Segundo ALLAN KARDEC, existem duas condições essenciais para que uma doutrina seja aceita como doutrina espírita. A primeira é que haja generalidade, e a segunda é que haja concordância geral dos espíritos. Diz ele: " O caráter essencial desta doutrina, a condição de sua existência, está na generalidade e concordância do ensino; donde resulta que todo princípio que não recebeu a consagração do assentimento da generalidade, não pode ser considerado parte integrante desta mesma doutrina, mas simples opinião isolada, cuja responsabilidade o espiritismo não assume" (A Gênese, p. 903, Opus Editora Ltda., 2ª edição)

Então surge a pergunta muito oportuna: a principal doutrina espírita pode ser classificada como genuinamente espírita? A nossa resposta é que a principal doutrina espírita, a doutrina da reencarnação, não pode ser considerada espírita por não haver assentimento de todos os espíritos nesse ensino. O próprio AK é quem nos diz isso: "Seria o caso, talvez, de examinar-se porque todos os Espíritos não parecem de acordo sobre este ponto."(O Livro dos Espíritos, p. 94, Opus Editora Ltda.)

Continua AK: "De todas as contradições que se observam nas comunicações dos Espíritos, uma das mais chocantes é aquela relativa à reencarnação, como se explica que nem todos os Espíritos a ensinam?"(O Livro dos Médiuns, p. 496, Opus Editora Ltda., 2ª edição, 1985)
AK insiste em deixar bem claro o que se pode classificar como doutrina espírita: " Não será a opinião de um homem que se aliarão os outros, mas à voz unânime dos Espíritos; não será um homem, como não será qualquer outro, que fundará a ortodoxia espírita; tampouco será um Espírito que se venha impor a quem quer que seja: será a universalidade dos Espíritos que se comunicam em toda a Terra, por ordem de Deus. Esse o caráter essencial da Doutrina Espírita, essa a sua força, a sua autoridade."(O Evangelho Segundo o Espiritismo, p. 36, 77ª edição).

A confissão clara e inequívoca é que a principal doutrina espírita não é na verdade espírita, mas do codificador do espiritismo:

"Não é somente por que ela nos veio dos Espíritos, mas porque nos parece a mais lógica e a única que resolve as questões até então insolúveis. Que ela nos viesse de um simples mortal e a adotaríamos da mesma maneira, não hesitando em renunciar às nossas próprias idéias. Do mesmo modo, nós a teríamos repelido, embora viesse dos Espíritos, se nos parecesse contrária à razão, como repelimos tantas outras." (O Livro dos Espíritos, p. 97. Opus Editora Ltda., 2ª edição, 1985).

Afinal, para que serve o ensino tão apregoado dos espíritos no Livro dos Espíritos, com mais de mil perguntas formuladas por AK e respondidas pelos espíritos, se o próprio AK declara que rejeitaria a reencarnação, se não lhe parecesse racional?


CONCLUSÃO


Como encarar a notícia alvissareira transmitida pela FOLHA ESPÍRITA e plenamente aceita por pessoas inteligentes, como soe acontecer com os espíritas kardecistas que são, de todos os ramos do espiritismo, os mais esclarecidos? Tão esclarecidos são que o próprio Chico Xavier se encarrega de esclarecer seus irmãos espíritas sobre sua reencarnação como Allan Kardec. Indagado se tinha consciência de ser AK reencarnado, respondeu: "Quando (ou quanto) a mim, os Espíritos nada me informaram a respeito." (Folha Espírita, nov./98, p. 7) É o problema da doutrina reencarnacionista: ninguém sabe o que realmente foi e nem o que fez em vidas passadas. Embora tal circunstância espera evoluir para a condição de espírito puro, reencarnando quantas vezes forem necessárias. Pura fantasia! A Bíblia é clara quando afirma: " E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo."(Hb 9.27) Morrer uma só vez, não um número indefinido de vezes. É a explícita afirmação da unicidade da vida terrestre. AK não reencarnou no corpo de Alziro Zarur e muito menos no corpo de Chico Xavier. Pura ilusão espírita.

Fonte: www.cacp.org.br 

 

Um comentário:

bastidores disse...

Nao acredito que ele foi Allan Kardek. Vejo no Chico um coracao de uma mulher. Que so nao veio como mulher, pq a missao era muito grande pra dividir com a maternidade. Porem o mesmo adotou um menino.
Allan Kardek foi sim um codificador, porem nao acredito que foi Xavier. Kardek talvez esteja encarnado entre nos. Se tem uma pessoa de grande grandesa que parece com Chico eh Joana D'arque. De qualquer forma meu corcao fala. Chico veio como homem, mas durante vidas e vidas viveu no corpo de uma mulher. e nessa vida alem de ajudar conseguiu o melhor equilibrio da pluralidade da existencia.

PARA PARTICIPAR DO GRUPO NO YAHOO GRUPOS:
Assinar irmaosdeluz

Desenvolvido por br.groups.yahoo.com