sábado, 9 de abril de 2011

Que país é esse?




 

Estimados Amigos e Irmãos,

Que país é esse?

Que país é esse?  Pergunta o compositor e cantor irreverente,  diante de realidade que não podemos mais esconder. O Brasil em números absolutos é o país que mais se mata ser humano por armas de fogo, em sua  maioria absoluta por armas leves, como estas,  que ontem  em mãos erradas, mataram parte da nossa inocência, da nossa dignidade, da nossa humanidade.

A comoção é nacional!   emoção toma conta de todos nós, quem humano se sente, sente um pouco a dor dos pais, familiares e amigos das crianças e jovens que foram exterminados estupidamente em uma escola do município de  Realengo,  no  Rio de Janeiro

Neste mês de abril, como um cineasta, de maneira profética, chamou de abril, abril despedaçado, é assim que está à dignidade brasileira,  humana, despedaçada.

Não importa como uma vida é ceifada, o que importa, é a pergunta, quantas vidas serão necessárias para enxergarmos, que as armas no Brasil estão exterminando nossa juventude, nossas crianças, nosso povo?

E olha!  que tem um ditado popular que diz "DEUS É BRASILEIRO"  e não fosse?

Somos um dos maiores países católicos do mundo, talvez o maior, somos o maior país  espírita do mundo, hoje no Brasil, existe uma nação do tamanho da Argentina de evangélicos, os nossos credos de matriz africana tem crescido muito. Um enorme envolvimento de pessoas que trabalham para consolidar a cidadania e os direitos humanos que credo nenhum professa. Talvez o maior país Maçon do Planeta.  Um dos países do mundo de organizações de todos os setores e pessoas envolvidas com o estabelecimento da cultura da paz. Trabalhando em favor da Vida.

Mas, apesar disso, somos um país violento, embora o povo brasileiro não deseje isso, existe uma vontade de mudar realidades violentas que acontecem todos os dias e que nesta quinta-feira (7/4/2011) nos pegou fortemente, estamos todos consternados, impactados.

Mas, apesar de todos os esforços que empreendemos todo o dia para evitar a violência, os números abaixo não contam a nosso favor, precisamos fazer muito mais:

a)      Com 34.000 (mil mortes, em 2003, era pior 36.000) ano, é o país que mais se mata seres humanos por armas de fogo em números absolutos e o quarto  lugar no mundo em relação a sua população.

b)      É um país que, segundo estimativa, tem mais de 17 milhões de armas circulando entre nós, a maioria,  90 % nas mãos de civis, a maioria delas na ilegalidade.

c)       Cerca de 69% dos assassinatos são cometidos por pessoas sem antecedentes criminais e por motivos fúteis

d)      Ainda, somos um país homofóbico, preconceituoso, intolerante religiosamente falando, com índices alarmantes de violência doméstica contra crianças e mulheres indefesas.

e)      Com grandes dificuldades nas áreas da  saúde, educação, segurança, desenvolvimento social entre outras.

Que país é esse?  Acreditamos que ainda é o país da esperança, somos um país da diversidade religiosa, da cidadania, dos direitos humanos em todos os aspectos de nossa humanidade que se deseja consolidar, somos um país da solidariedade praticada pelo trabalho de formiguinha de muita gente, conhecidas e anônimas.

Somos um país que saberemos sair da indiferença e omissão e não permitir mais que um instrumento como as armas caiam e estejam  em mãos erradas construindo tanta dor e sofrimento.

Vendo o noticiário da Rede Globo ontem, no horário nobre da nossa televisão brasileira, Fátima Bernardes, lá em frente da escola onde aconteceu uma das maiores tragédias em nosso país, no momento,  como repórter, tentando pensar junto com o Brasil, indaga ao especialista em segurança pública da mesma rede, o porquê de tudo isto, no que ele responde, pelo fácil acesso às armas.

Parece uma resposta muito simples, diante de um caso de violência extrema, que certamente tem origem multi-complexas, mas,  a resposta é profunda na sua singeleza, se este jovem não tivesse o acesso tão fácil ás armas, será que ele não poderia ter agido de modo diferente?

Será que os nossos problemas devam ser resolvidos de forma tão letal? Não. Podemos resolvê-los de modos diferenciados e não-violentos, sim senhor.

Sabemos também, que a culpa não é da arma em si, mas de quem as usam.  Mas é lógico e nisto somos convictos,  de que o acesso fácil ás armas, permitiu que aquele jovem e tem permitido a muitos outros, de resolverem, sejam lá quais forem seus problemas, resolverem de forma tão violenta e trágica.

Somos convictos de que se empreendermos esforços articulados, integrados em controlar ás armas. Permitindo armas em mãos certas, traduzindo-se em segurança. Procurando diminuir este número absurdo de armas circulando em nosso país, com controles rígidos, apreensões de armas ilegais e campanhas de entrega voluntária de armas e munições de forma permanente, tal como o Ministério da Justiça está empreendendo a partir deste ano de 2011.

Tal como é feito anualmente,  com campanhas de erradicação da dengue pelo Ministério da Saúde.

Muitas vidas serão salva e poupadas, menos armas circulando mais vidas.

Que país é esse? Esse,  é o país que continua construindo sua cidadania humana, participativa, socialmente mais justa, solidária, reconhecendo que os conflitos e desafios nunca deixarão de existir, mas que poderão ser resolvidos respeitando á Vida como base de tudo o mais e que a nossa democracia, além de justa socialmente, seja pacificadora.

Que país é esse?  Agora, o nosso país é  país o da oração em favor das nossas crianças  e jovens que foram brutalmente arrancadas dos convívios dos pais, familiares, amigos, colegas de turma da escola em Realengo no Rio de Janeiro e em nome delas vibramos por todas as vítimas de violência.

Que país é esse? Com diz a sabedoria, é o país que dele fizerem o seu povo.

Almir Laureano

Movpaz

Rede Desarma Brasil

Grande Oriente do Brasil

83-9947.0357 e 8747.8598
 



--
Acesse, leia, comente e divulgue entre os amigos.
http://plantaodapaz.blogspot.com/




Nenhum comentário:

PARA PARTICIPAR DO GRUPO NO YAHOO GRUPOS:
Assinar irmaosdeluz

Desenvolvido por br.groups.yahoo.com