domingo, 31 de julho de 2011

A OBSESSÃO ESPIRITUAL ATIVANDO O EIXO HIPOTÁLAMO,HIPÓFISE E A GLÂNDULA SUPRA-RENAL



Fonte:www.consolador.com.br
CrÃ?nicas e Artigos
Ano 2 - N° 70 - 24 de Agosto de 2008

EDUARDO AUGUSTO LOURENÇO
eduardoalourenco@hotmail.com
Americana, São Paulo (Brasil)

A obsessão espiritual ativando o eixo hipotálamo, hipófise
e a glândula supra-renal

"O Espírito humano desencarnado, erguido a novo estado de consciência, começa a elaborar recursos magnéticos diferenciados, condizentes com os impositivos da própria sustentação, tanto quanto, no corpo terrestre, aprendeu a criar, por automatismos, as enzimas e os hormÃ?nios que lhe asseguravam o equilíbrio biológico, e, impressionando o paciente que explora, muitas vezes com a melhor intenção, subjuga-lhe o campo mental, impondo-lhe ao centro coronário a substância dos próprios pensamentos, que a vítima passa a acolher qual se fossem os seus próprios"... (Evolução em Dois Mundos. André Luiz)


Há um ditado popular muito antigo que diz: "Dize-me com quem andas e eu te direi quem tu és". As nossas companhias, hábitos e condicionamentos indicam as nossas tendências, as nossas preferências e a forma de vida que gostamos de levar.

As afinidades se atraem como uma perfeita sintonia: amigos que compartilham das mesmas experiências, mulheres que se entrelaçam na mesma rotina, homens que se afinizam pelos mesmos gostos e práticas, procurando saciar sua sede instintiva em ambientes sedutores.

Enfim, homens e mulheres buscam aquilo que gostam de fazer, sintonizando-se com as mentes desencarnadas como hipnose profunda. Viram parceiros íntimos que se ligam uns aos outros pelos pensamentos, sentimentos e gostos. O algoz acopla-se na vítima por cordões fluídicos sutis, invadindo o corpo espiritual do indivíduo, despeja todo o seu comando mental em forma-pensamento por neurÃ?nios perispirituais.

Estes chegam à glândula pineal física da vítima em forma de ondas impregnadas de sentimentos inferiores (de ódio, de ira e a falta do perdão) e com pensamentos (de vingança, de orgulho e de maldade), anulando a fabricação de serotonina no organismo físico (o hormÃ?nio que nos gera o bem-estar).

A mediunidade sendo um atributo natural e biológico do ser humano capta o campo eletromagnético do desencarnado pela sintonia vibratória (emitente e receptor).

Exatamente como ocorre com a pedra galena (que recebe as ondas emissoras de acordo com a faixa em que emite), a pineal também faz a mesma função desta pedra; esta glândula é um aparelho de alta sensibilidade transformando as ondas recebidas em estímulos eletroneuroquímicos.

Estas ondas espirituais maléficas mexem com o sistema autÃ?nomo da vítima, com descargas elétricas de altas doses de adrenalina, acelerando o ritmo cardíaco e aumentando a pressão arterial. A vítima, por afinidade, acata como se fosse seu este pensamento, então, ordena aos sentidos físicos registrarem e produzirem todos estes hormÃ?nios em abundância.

Desgastando e enfraquecendo a vítima, subjuga-lhe a casa mental, aprisionando o ser atordoado num emaranhado de transtornos mentais. Sendo alvo de vexames escandalosos, se desmontam no ridículo, tornando-se vítimas dos próprios hábitos, pensamentos e sentimentos.

Por este mesmo eixo que coordena e mantém a manutenção do corpo físico, os obsessores atuam desorganizando as engrenagens da máquina física.

Comandando as funções do hipotálamo e tálamo, via neurÃ?nios, ordenando os nervos simpático e parassimpático, sob influência mental automática. A ordenação de aceleração (fabricação de hormÃ?nios) e desaceleração, em ritmo frenético, leva o indivíduo às raias da loucura. As glândulas supra-renais, também, são vítimas de Espíritos vampirizadores. Quando a ligação se faz no chakra esplênico, esgotam a vitalidade do indivíduo, sugando-lhe os hormÃ?nios indispensáveis à vida.

A vítima vai definhando pelo descontrole do seu metabolismo interno e, além da irritação do órgão, causa uma superprodução de adrenalina, pelo simples fato do obsessor deixar sua vítima constantemente em estado de alerta, deixando-o em pânico e angustiado. Cria-se uma batalha íntima, então, quando o ser já está com os nervos em frangalhos, perde o comando da própria consciência (córtex frontal) que controla as regiões sensíveis do centro coronário, pois, é lá que se encontra o governo das excitações motoras e reflexos da alma (diencéfalo).

Assim, vemos as doenças geradas pelas obsessões, a guerra dos pensamentos negativos. A ansiedade devorando o íntimo, o nervosismo a flor da pele. A fadiga excessiva, o abatimento mórbido e a falta de vontade para reagir são as batalhas a serem vencidas.

Geram também os famosos transtornos, como: a depressão que traz a insatisfação na alma, a síndrome do pânico que deixa em regime de medo e o TOQ (transtorno obsessivo compulsivo) que se prende a manias e fobias, escravizando o ser em rituais paranóicos e bizarros.

Os irmãos desencarnados, presos ainda à matéria grosseira, se alimentam através dos seus afins com aquilo que deixaram na Terra. O planeta encontra-se povoado destas almas que não conseguiram entender a mensagem do "Cristo".

A grande maioria dos encarnados serve de instrumento destes Espíritos pela simbiose espiritual, a saciar os prazeres deixados na Terra, e que agora compartilham pelas afinidades.

Somos sempre responsáveis por nossa casa mental. Se existe a obsessão é porque houve a permissão e aceitação da nossa parte. Nenhum obsessor coloca uma idéia em nossa mente se não tiver a reciprocidade. Assumir o que é, procurando se melhorar, aceitar a condição sem acomodar-se, esforçar-se na conduta reta procurando sempre se colocar no lugar do próximo são procedimentos positivos de controle e comando da vida, nesta nova existência, para avançar no caminho da evolução.

Amar a si mesmo e conseqÃ?entemente amar o seu próximo, fazendo a ele o que gostaria de receber, principalmente, a prática da caridade, é a prevenção contra a auto-obsessão e a obsessão espiritual.



Nenhum comentário:

PARA PARTICIPAR DO GRUPO NO YAHOO GRUPOS:
Assinar irmaosdeluz

Desenvolvido por br.groups.yahoo.com