quarta-feira, 21 de abril de 2010

TORCEDORES DO BAHIA (E DE TODAS AS TORCIDAS): AJUDA A JEFFERSON - EX-BAHIA

ACIMA DE QUALQUER ADVERSIDADE FUTEBOLISTICA,ESTÁ O AMOR AO PROXIMO E A SOLIDARIEDADE.
 
Trajano
 
 
AJUDE! Veja como na matéria abaixo.



20/04/2010 - 20h11

Jornal revela luta de ex-capitão pela vida

Jorge Freire


Confira, abaixo, a íntegra do brilhante trabalho jornalístico apresentado no jornal Correio de hoje, assinado pelo repórter Miro Palma:

"Um gesto rotineiro para a maioria das pessoas. Entretanto, o sinal positivo de Jefferson significa muito mais do que um simples tudo bem. Representa o cruzamento perfeito na cabeça do atacante, a emoção singular de marcar um gol, a alegria de estar vivo e poder desfrutar o amor da família. Quem não conhece a história vai se emocionar.

Quem o viu jogar recordará alguma lembrança feliz da carreira de 14 anos deste lateral-esquerdo: guerreiro, ídolo e capitão do Bahia entre os anos de 1999 e 2001, ano do último título estadual tricolor. O destino, porém, abreviou a história nos campos. Em 2002, no Juventude, o baque. Perda repentina dos movimentos corporais e diagnóstico assustador.

Jefferson, hoje 39 anos, tinha a síndrome de Behçet, doença que consiste na inflamação dos vasos sanguíneos. No caso dele, a lesão aconteceu no cérebro, afetando braços e pernas, além da fala. "Foi tudo muito difícil. Jefferson se comunicava só pelo movimento dos olhos", conta a esposa Adriana Oltramari. "Hoje em dia, com a fisioterapia, ele já consegue comer sozinho com a mão direita. É mais uma vitória nossa".

Jefferson passou três meses internado no Hospital Sarah Kubitschek, em Brasília, no início da recuperação. Com auxílio de amigos, fez tratamento no Chile antes de voltar para Pato Branco, no Paraná, cidade natal. "O Bahia fez campanha para nos ajudar com a venda de CDs. Sérgio e César Sampaio, ex-companheiros dele no Palmeiras, também realizaram um jogo beneficente. Foi importante, pois conseguimos pagar a nossa casa", explica Adriana, emocionada.

A fé como alimento

Pai de dois filhos, Pedro Henrique, 14 anos, e Maria Clara, 13, Jefferson faz fisioterapia três vezes na semana. "Hoje em dia, a gente não gasta muito com os remédios. Só a equoterapia (método terapêutico que envolve cavalos) que é cara. São R$90 por cada sessão.A vida é difícil. Não teve jeito de pra continuar", revela a esposa Adriana.

Hoje, todos vivem da aposentadoria do ex-jogador e do salário de Adriana, formada em educação física e que trabalha na academia do irmão, em Pato Branco. O filho Pedro Henrique conta como é o dia-a-dia do pai. Passeios e futebol na tevê são os programas prediletos.

"Ele tem uma vida normal. A cada sorriso, percebemos o significado do quanto ele está feliz", diz, sonhando em seguir os passos do pai boleiro. O garoto, de 1,83m, é lateral como Jefferson. Só muda o lado: "Quando eu era pequeno, ele me ensinou a chutar pro gol com a perna esquerda, mas jogo na direita. Não aprendi direito", brinca.

Pedro estava na divisão de base do Coritiba, mas foi dispensado. A mamãe coruja faz o lobby. "Quem sabe um dia ele não vai jogar aí no Bahia?". Pedro não esconde a vontade. "Eu vou, com certeza!". Antes de se despedir da entrevista pelo telefone, Adriana frisa. "Um dia nós vamos voltar a Salvador e Jefferson vai agradecer a todos que rezaram e ajudaram na recuperação".

Esperançosa, a esposa do ídolo tricolor avisa: "Ele vai voltar a falar e andar, tenho certeza disso. Ele se emociona quando lembra de tudo que passou por aí". Todos tricolores acreditam.

"A doença avançou sem controle"

O neurologista Luís Sidônio Teixeira foi o primeiro médico a diagnosticar a síndrome de Behçet em Jefferson: "Demorou muito, quase um ano. Ele passou por diversos hospitais. Por isso, a doença avançou sem controle eas lesões no cérebro foram definitivas".

O médico deixa claro que, apesar de Jefferson não correr risco de vida, a limitação será grande."A doença estabilizou e é controlada através dos remédios imuno-supressores, conhecidos como corticóides. No entanto, ele não vai voltar a andar e a capacidade de fala vai ser reduzida".

A síndrome de Behçet recebeu o nome do dermatologista turco Dr. Hulusi Behçet (1889-1948), que classificou, no ano de 1947,a doença como um complexo de sintomas de úlceras orais (aftas), urogenitais, neuro-ocular, e lesões de pele.

Geralmente, a incidência acontece em adultos dosexo masculino com idade entre 20 e 30 anos, podendo atingir também as crianças. A raridade assustou os médicos. Teixeira conheceu quatro casos em 20 anos de profissão. O país com maior incidência é a Turquia: 80 a 379 casos por 100 mil habitantes.

Jefferson: Seleção em 1995 e dois títulos nacionais

Jefferson começo no Botafogo de Ribeirão Preto. Além do Bahia, jogou por Palmeiras, Vasco, Botafogo, Sport, Atlético Mineiro, Cerro Porteño, do Paraguai, antes de encerrar a carreira no Juventude. No Palmeiras, foi bicampeão paulista e campeão Brasileiro em 94. Foi também campeão paraguaio pelo Cerro e carioca pelo Botafogo.

Emerson Ferretti se lembra com carinho do ex-companheiro

"Um exemplo de pessoa e também como profissional". Esta é a definição do ex-goleiro Emerson sobre Jefferson. Os dois jogaram juntos pelo Bahia nos anos 2000 e 2001. "Não tenho palavras pra descrever ele. Um cara super correto, dedicado e religioso. Não entendo como isso aconteceu logo com um cara como ele", comenta.

AJUDE O CAPITÃO

Banco Unibanco

Agência 0444

Conta Corrente 208163-6

Em nome de Adriana Oltramari da Silva"
 
 
Fonte: http://www.ecbahia.com/imprensa/noticia.asp?nid=18793


Cansado de entrar em todas as suas diferentes contas de email? Veja como juntar todas




Atualizado em 20 de abril de 2010, às 10:03

Jefferson, ex-capitão do Bahia, vence a morte

Campeão vive uma batalha diária

Um gesto rotineiro para a maioria das pessoas. Entretanto, o sinal positivo de Jefferson significa muito mais do que um simples tudo bem. Representa o cruzamento perfeito na cabeça do atacante, a emoção singular de marcar um gol, a alegria de estar vivo e poder desfrutar o amor da família. Quem não conhece a história vai se emocionar.

Quem o viu jogar recordará alguma lembrança feliz da carreira de 14 anos deste lateral-esquerdo: guerreiro, ídolo e capitão do Bahia entre os anos de 1999 e 2001, ano do último título estadual tricolor. O destino, porém, abreviou a história nos campos. Em 2002, no Juventude, o baque. Perda repentina dos movimentos corporais e diagnóstico assustador.

Jefferson, hoje 39 anos, tinha a síndrome de Behçet, doença que consiste na inflamação dos vasos sanguíneos. No caso dele, a lesão aconteceu no cérebro, afetando braços e pernas, além da fala. "Foi tudo muito difícil. Jefferson se comunicava só pelo movimento dos olhos", conta a esposa Adriana Oltramari. "Hoje em dia, com a fisioterapia, ele já consegue comer sozinho com a mão direita. É mais uma vitória nossa".

Jefferson passou três meses internado no Hospital Sarah Kubitschek, em Brasília, no início da recuperação. Com auxílio de amigos, fez tratamento no Chile antes de voltar para Pato Branco, no Paraná, cidade natal. "O Bahia fez campanha para nos ajudar com a venda de CDs. Sérgio e César Sampaio, ex-companheiros dele no Palmeiras, também realizaram um jogo beneficente. Foi importante, pois conseguimos pagar a nossa casa", explica Adriana, emocionada.

A fé como alimento
Pai de dois filhos, Pedro Henrique, 14 anos, e Maria Clara, 13, Jefferson faz fisioterapia três vezes na semana. "Hoje em dia, a gente não gasta muito com os remédios. Só a equoterapia (método terapêutico que envolve cavalos) que é cara. São R$90 por cada sessão.A vida é difícil. Não teve jeito de pra continuar", revela a esposa Adriana.

Pedro Henrique no colo do papai e Maria Clara coma mãe, Adriana

Hoje, todos vivem da aposentadoria do ex-jogador e do salário de Adriana, formada em educação física e que trabalha na academia do irmão, em Pato Branco. O filho Pedro Henrique conta como é o dia-a-dia do pai. Passeios e futebol na tevê são os programas prediletos.

"Ele tem uma vida normal. A cada sorriso, percebemos o significado do quanto ele está feliz", diz, sonhando em seguir os passos do pai boleiro. O garoto, de 1,83m, é lateral como Jefferson. Só muda o lado: "Quando eu era pequeno, ele me ensinou a chutar pro gol com a perna esquerda, mas jogo na direita. Não aprendi direito", brinca.

AJUDE O CAPITÃO
Banco Unibanco
Agência 0444
Conta Corrente 208163-6
Em nome de Adriana Oltramari da Silva

Pedro estava na divisão de base do Coritiba, mas foi dispensado. A mamãe coruja faz o lobby. "Quem sabe um dia ele não vai jogar aí no Bahia?". Pedro não esconde a vontade. "Eu vou, com certeza!". Antes de se despedir da entrevista pelo telefone, Adriana frisa. "Um dia nós vamos voltar a Salvador e Jefferson vai agradecer a todos que rezaram e ajudaram na recuperação".

Esperançosa, a esposa do ídolo tricolor avisa: "Ele vai voltar a falar e andar, tenho certeza disso. Ele se emociona quando lembra de tudo que passou por aí". Todos tricolores acreditam.

'A doença avançou sem controle'
O neurologista Luís Sidônio Teixeira foi o primeiro médico a diagnosticar a síndrome de Behçet em Jefferson: "Demorou muito, quase um ano. Ele passou por diversos hospitais. Por isso, a doença avançou sem controle eas lesões no cérebro foram definitivas".

O médico deixa claro que, apesar de Jefferson não correr risco de vida, a limitação será grande."A doença estabilizou e é controlada através dos remédios imuno-supressores, conhecidos como corticóides. No entanto, ele não vai voltar a andar e a capacidade de fala vai ser reduzida".

A síndrome de Behçet recebeu o nome do dermatologista turco Dr. Hulusi Behçet (1889-1948), que classificou, no ano de 1947,a  doença como um complexo de sintomas de úlceras orais (aftas), urogenitais, neuro-ocular, e lesões de pele.

Geralmente, a incidência acontece em adultos dosexo masculino com idade entre 20 e 30 anos, podendo atingir também as crianças. A raridade assustou os médicos. Teixeira conheceu quatro casos em 20 anos de profissão. O país com maior incidência é a Turquia: 80 a 379 casos por 100 mil habitantes.

Jefferson: Pan de Mar del Plata

Jefferson: Seleção em 1995 e dois títulos nacionais
Jefferson começo no Botafogo de Ribeirão Preto. Além do Bahia, jogou por Palmeiras, Vasco, Botafogo, Sport, Atlético Mineiro, Cerro Porteño, do Paraguai, antes de encerrar a carreira no Juventude. No Palmeiras, foi bicampeão paulista e campeão Brasileiro em 94. Foi também campeão paraguaio pelo Cerro e carioca pelo Botafogo.

Dois cidadãos ilustres de Pato Branco: Jefferson e Alexandre Pato

Emerson Ferretti se lembra com carinho do ex-companheiro
"Um exemplo de pessoa e também como profissional". Esta é a definição do ex-goleiro Emerson sobre Jefferson. Os dois jogaram juntos pelo Bahia nos anos 2000 e 2001. "Não tenho palavras pra descrever ele. Um cara super correto, dedicado e religioso. Não entendo como isso aconteceu logo com um cara como ele", comenta.
CORREIO (Miro Palma)

Fonte: http://www.portalibahia.com.br/falabahia/?p=25876

Nenhum comentário:

PARA PARTICIPAR DO GRUPO NO YAHOO GRUPOS:
Assinar irmaosdeluz

Desenvolvido por br.groups.yahoo.com